sexta-feira, 21 de agosto de 2009






Las
iodora
klugi (CL Koch 1841)
.


Descrita em 1841 por CL Koch pesquisador que descreveu vários gêneros e espécies de importante interesse médico como Latrodectus geometricus e algumas espécies do gênero Tityus a aranha Lasiodora klugi é uma das espécies mais criadas por hobistas do mundo inteiro.

DISTRIBUIÇÃO: Sua área de distribuição é ampla, sendo comum nos estados do Nordeste, sobretudo na Bahia, o que lhe rendeu o nome popular no exterior de Bahia scarlet bird-eater tarantula, no entanto existem relatos da presença da espécie no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Vale do Paraíba, mas deve se levar em conta a presença de outras espécies do gênero Lasiodora nesses estados, e a semelhança entre as espécies desse gênero.

TAMANHO: Grande, possui a coloração marrom escura, quase negra mesclando com o vermelho escarlate, atinge geralmente 20 cm, existem relatos de exemplares em cativeiro de até 22 a 23 cm, o cephalotorax de tonalidade marrom escuro possui cerdas acinzentadas, criando a impressão de possuir a região coberta por camurça. As patas são robustas e os tarsos são bem desenvolvidos se comparados ao de outras aranhas terrestres como as do gênero Vitalius e Acanthoscurria. O abdômen possui cerdas urticantes de cor avermelhada, as quilíceras possuem cerdas acinzentadas mescladas ao fundo marrom quase negro.

TEMPERAMENTO: A experiência que tenho com L. klugi é de que se trata de espécie dócil, mas já ouvi relatos de outros criadores de que seus exemplares "soltam muitos pelos" ou reagem com picadas a pinças, por sorte nenhum dos exemplares que já vi ou possui demonstraram tal comportamento.

ALIMENTAÇÃO: Alimentam-se, sobretudo de artrópodes, tais como baratas, grilos, gafanhotos e outras aranhas, mas não negam pequenos vertebrados, como anuros, répteis e mamíferos. Em uma ocasião ofereci a um exemplar adulto um pequeno roedor, ao perfura-lo com suas queliceras fiquei impressionado com a velocidade com a qual o camundongo morreu, pesquisando descobri que o veneno das Lasiodoras age no parassimpático, sobretudo na liberação de acetilcolina um importante neurotransmissor, assim atua diretamente em ações como ritmo cardíaco e pressão arterial. Nos humanos o veneno é pouco tóxico, não oferecendo maiores perigos.

COMPORTAMENTO: No terrário são bem ativas, possuem o habito de subir ao vidro, tal comportamento me faz pensar se na natureza estas possam vir a subir em arvores. Certa vez na Bahia perguntei a uma prima se ela ja havia visto um exemplar de klugi, e mostrei-lhe um individuo que havia coletado, de prontidão ela me assegurou que havia visto muitas vezes Lasiodoras na calha e madeiramento do telhado do seu rancho, tal resposta me fez indagar se não se tratava de algum outro gênero baiano com hábitos arborícolas como Iridopelma ou Avicularia, mas minha prima me assegurou ser como ela descreveu “uma das grandonas!" Isso talvez esteja relacionado ao porte de seus tarsos, provavelmente ja deve ter bibliografia citando algo nesse sentido, o problema é que existe pouca informação sobre a ecologia desses animais. Em buscas de campo sempre as achei em baixo de troncos e ao meio de lenha empilhada.

UMIDADE: A umidade deve girar entre os 70 a 80%, no entanto suporta uma umidade menor.

TEMPERATURA: A temperatura ideal é entre os 25 a 28°C, mas suportam temperaturas mais baixas.

TERRÁRIO: O substrato do terrário não precisa ser tão profundo, não possuem o habito de cavadoras e tão pouco se enterram. O terrário deve ser grande, de preferência com um comprimento maior do que 50 cm para exemplares adultos. De preferência por terrários não tão altos, ja que as aranhas são robustas e possuem o habito de subir nos vidros, uma eventual queda pode resultar na morte do individuo.

Enfim, trata-se de uma aranha comum no hobby, mas na minha humilde opinião uma das espécies mais bonitas e legais de se criar, obrigatória em qualquer coleção.


[chel.jpg]por Theraphosidae



4 comentários:

  1. Eu possuo um e é realmente legal ver o mesmo andando pelo terrário gosto de vela se alimentando e bebendo água ele habita um terrário de 50x25x35 tô falando ele por que é um macho

    ResponderExcluir
  2. Ola eu tenhon um macho ele so fez a ecdise uma vez e antes da ecdise ele forrava o chao com teia mas depois de um tempo que pasosu pela Ecdise nunca mais vi ele soltar teias, ele fica esfregando a bunda no chao com as fiandeiras mas nao vejo sair nenhuma seda oque eu faço. me ajudem =/

    ResponderExcluir
  3. Também tenho um exemplar, a minha tem aprox. 10 meses, ainda e um filhote, mas e muito tranquila, manuseio ela todos os dias...

    ResponderExcluir

Aracno Hobby Brasil é um blog destinado a divulgar e repassar o conhecimento adquirido, seja por pesquisa ou prática.
Não comercializamos animais. Obrigado pela visita.